Sexta-feira, 2 de Outubro de 2009

Santana Lopes quer gestão da Baixa partilhada entre Câmara e comerciantes

O candidato social-democrata à Câmara Municipal de Lisboa defendeu um novo modelo de gestão para a Baixa, partilhada entre a autarquia e os representantes dos comerciantes, que deverão ser uma espécie de “administrador delegado”.

Num encontro da Associação de Comerciantes da Baixa no café Nicola, Pedro Santana Lopes manifestou a necessidade de “desatar o nó” da gestão naquela zona da capital, entregando a “pilotagem a quem se mostrou interessado e capaz”, ou seja, aos comerciantes.

Santana Lopes propõe um modelo “ousado” de partilha de responsabilidade entre autarquia e comerciantes e é contra o papel que tem tido a sociedade Frente Tejo, que acusa de gerir nas costas da câmara e dos habitantes.

Exemplo disso, afirmou, é o facto de haver “um consultor imobiliário” a contactar marcas internacionais para se instalarem nas arcadas do Terreiro do Paço.

“A Frente Tejo nasceu para estes projectos se fazerem todos sem irem a reunião de câmara, sem se saber quanto ganham os arquitectos…tudo isto vai andando”, afirmou, declarando que administradores da sociedade imobiliária estão entre “os notáveis” que o seu adversário socialista e actual presidente da Câmara, António Costa (PS), reuniu na sua comissão de honra.

Além disso, afirmou, a sociedade Frente Tejo “não tem o direito” de contratar “sem concurso de ideias” um arquitecto (Bruno Soares) para projectar o futuro Terreiro do Paço que entende que aquela praça “não se presta a ser frequentada pelas pessoas”.

Para o Terreiro do Paço, defendeu a saída dos ministérios da Administração Interna e da Agricultura.

Santana Lopes reiterou críticas à saída do Comando Metropolitano da PSP para outro concelho e à saída do aeroporto da cidade, “processos perigosíssimos” que dão a ideia de que “ali não há futuro”.

O candidato defendeu a construção de “estacionamento em altura” com “tarifas estimulantes” em locais onde hajam prédios devolutos, dentro da malha urbana, e a promoção da Baixa em consonância com o “ADN” e a identidade daquela zona para “atrair novas marcas e criar razões para que as pessoas ali morem”.



publicado por Diogo Moura às 14:17
link do post

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Autores
Pesquisa
 
Posts recentes

T

Vou continuar...com todo ...

2001 ... 2009

Palavra de funcionário

A verdadeira razão

O António pelas Costas

Junta de Freguesia do Ori...

Grandes entrevistas

por uma questão de confia...

O Administrativo e o Admi...

Mais comentados
Últ. comentários
poertooooooooooooooooooooooooo
Foi bom saber que o Campo de Santana vai continuar...
Acho que faz muito bem em continuar...Lisboa pode ...
O mais sensato é votar Santana Lopes. Chega da máq...
Boa tarde Vasco,E um deles voa!!!Ainda vamos vêr, ...
Arquivo

Junho 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

todas as tags

Links
Subscrever feeds