Quarta-feira, 30 de Setembro de 2009
Lisboa inspiradora por Rodrigo Saraiva

 

 

A fantástica Estudantina Universitária de Lisboa canta "Sete Colinas"



publicado por Rodrigo Saraiva às 16:45
link do post

De josé carlos sequeira a 30 de Setembro de 2009 às 22:52
(Continuação do comentário anterior)

Ao contrário dos actuais executivos da Câmara que, que eu saiba, não se deslocam habitualmente sem ser de automóvel, eu, apesar de andar pelo meio século mais cinco de idade, utilizo muitas vezes a bicicleta nas minhas deslocações pela cidade; percebo e apoio tudo o que diga respeito a ciclovias mas (como ciclista na cidade sei do que falo) dentro de parâmetros que protejam o utilizador da bicicleta sem – importante – dificultar a vida a quem circula de outro modo; é que, ao contrário do que estes “tristes”, que nem o epíteto de “teóricos” merecem, pensam, bicicletas, motas, autocarros, eléctricos e automóveis (transportes de superfície) não pertencem à lista de inimigos mas sim ao rol muito mais abrangente de complementares. Não nos esqueçamos que todos somos, um dia automobilistas, outro ciclistas, outro utentes dos transportes públicos e outro até peões. Como poderíamos ser oponentes se vestimos diversos tipos de pele, consoante a necessidade específica de cada momento?

Uma ciclovia não pode nem deve ser o mastodonte imaginado por esta dupla que infelizmente governou a nossa querida cidade nos últimos dois anos e picos. Mais uma vez sei do que falo. As bicicletas não podem circular paralelamente umas às outras. Basta cerca de 1 metro de cada lado das ruas, na maioria dos casos num compromisso entre o “roubo” de 50 centímetros ao passeio e 50 centímetros ao asfalto para o ciclista poder circular em segurança. Não é necessário retirar uma faixa de rodagem, como estes “otários” fizeram em vários pontos da cidade, e, pelo facto de existir uma “pista” em cada sentido, aqueles a quem eu chamo carinhosamente “duas rodas em que o animal puxa sentado”, sentem-se integrados num conjunto harmonioso, não antagónico e funcional.

Realmente é uma tristeza ver a nossa bela cidade entregue a estes “performers” de lição mal apreendida, marinheiros de alguidar, apostados em infernizar a vida dos que aqui moram, sem consistência, sem alegria e – o pior de tudo – sem sofrerem na pele as consequências das “aprendizagens de feiticeiro” que têm sido a constante da sua governação.

Alicerçados na Fé que move os escolhos, com a Esperança de que tudo se altere, tenhamos a Caridade de mandar esta “tropa” plantar girassóis lá para Fontanelas, enquanto entregamos o governo da cidade ao Pedro Santana Lopes, a quem – nota-se bem – se acende o brilho nos olhos quando confrontado com a certeza de poder contribuir (com todos nós e não contra nós) para o alcandroar de Lisboa à condição de grande cidade, moderna e europeia.


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Autores
Pesquisa
 
Posts recentes

T

Vou continuar...com todo ...

2001 ... 2009

Palavra de funcionário

A verdadeira razão

O António pelas Costas

Junta de Freguesia do Ori...

Grandes entrevistas

por uma questão de confia...

O Administrativo e o Admi...

Mais comentados
Últ. comentários
poertooooooooooooooooooooooooo
Foi bom saber que o Campo de Santana vai continuar...
Acho que faz muito bem em continuar...Lisboa pode ...
O mais sensato é votar Santana Lopes. Chega da máq...
Boa tarde Vasco,E um deles voa!!!Ainda vamos vêr, ...
Arquivo

Junho 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

todas as tags

Links
Subscrever feeds