Quarta-feira, 12 de Agosto de 2009
Se não se importam, já chega por João Villalobos

Tudo é mais simples do que muitos pretendem fazer parecer e não vale a pena perdermos tempo com bizantinices. Basta lembrar os termos em que, no dia 13 de Julho de 2007, o blogue de apoio a António Costa terminava o seu apelo ao voto no candidato socialista: 

«Ninguém pode querer a continuação da degradação da qualidade de vida em Lisboa, da perda de população, da deterioração do património edificado, da delapidação de recursos financeiros: em suma da falta de projecto e de ambição para uma cidade que tem condições naturais únicas para ser uma das principais capitais europeias».

É um parágrafo admirável de tão actual. Mais de dois anos depois não há um único problema - entre os vários mencionados no parágrafo acima - que tenha sido resolvido por este executivo camarário. António Costa tem passado e passará toda a campanha com um discurso assente numa desculpa recorrente: Não teve tempo para fazer o que quer que fosse, de tão ocupado que esteve  a «arrumar a casa». A desculpa não colhe e é - literalmente - de mau pagador,

Em lugar de «arrumar a casa» o actual presidente da CML aumentou o passivo e continua a pedir empréstimos; Dividiu as dívidas em prestações, deixando para si os louros e para pagantes futuros os juros; Mentiu descaradamente no seu panfleto, anunciando uma redução de despesa que não existiu, quando na realidade aumentou a despesa corrente e reduziu ligeiramente a de capital, algo aliás simples de atingir-se dada a ausência de investimento e obra.

Como teve ocasião de observar Pedro Santana Lopes no final do debate a dois na SIC, do qual saiu claramente vencedor, António Costa mais parece o menino que garante aos pais ter arrumado o quarto, quando na realidade se limitou a atafulhar os brinquedos debaixo da cama. 

Na verdade, hoje como ontem não existe uma visão nem uma ambição socialistas para o Governo da cidade. Não existe obra feita de relevo em Lisboa, o património continua aos caídos e o trânsito é um caos que Deus nos livre. Como se não bastasse, na lista de Costa acumulam-se inimigos fidagais, cada um com o seu contraditório "plano" ou "projecto". Aliás, é de "planos" e "projectos" - todos eles candidatos ao Prémio Gaveta ou ao Concurso Maquete Mai' Linda - que vivem e nadam eles e elas como peixinhos na água. 

Hoje, 12 de Agosto de 2009, escrevo neste blogue porque: «Ninguém pode querer a continuação da degradação da qualidade de vida em Lisboa, da perda de população, da deterioração do património edificado, da delapidação de recursos financeiros: em suma da falta de projecto e de ambição para uma cidade que tem condições naturais únicas para ser uma das principais capitais europeias». No fundo, escrevo aqui graças a António Costa. Não fosse Lisboa estar como está e até lhe dizia «Obrigado».



publicado por João Villalobos às 17:16
link do post

De antónio alves a 15 de Agosto de 2009 às 13:56
Parabens Dr. Pedro Santana Lopes, há que fazer força para tirar da Camara esses pseudos socialistas... subservientes do governo do sr Socrates...
Parabens e muita coragem,
antónio alves


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Autores
Pesquisa
 
Posts recentes

T

Vou continuar...com todo ...

2001 ... 2009

Palavra de funcionário

A verdadeira razão

O António pelas Costas

Junta de Freguesia do Ori...

Grandes entrevistas

por uma questão de confia...

O Administrativo e o Admi...

Mais comentados
Últ. comentários
poertooooooooooooooooooooooooo
Foi bom saber que o Campo de Santana vai continuar...
Acho que faz muito bem em continuar...Lisboa pode ...
O mais sensato é votar Santana Lopes. Chega da máq...
Boa tarde Vasco,E um deles voa!!!Ainda vamos vêr, ...
Arquivo

Junho 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

todas as tags

Links
Subscrever feeds