Terça-feira, 8 de Setembro de 2009
Metro a pataco por Vasco Campilho

Amanhã Pedro Santana Lopes apresentará o seu programa de Mobilidade, Transportes e Estacionamento para Lisboa. Conheço algumas linhas gerais pelo que o candidato tem dito em ocasiões anteriores e pelo que já saiu nos media - por exemplo, a questão do desnivelamento do eixo Fontes Pereira de Melo / Avenida da República entre Picoas e Saldanha - mas nada mais. É por isso com expectativa que encaro esta apresentação naquele que é um tema central para qualquer cidade, mais a mais para o coração da maior área metropolitana portuguesa.

 

Nesse aspecto, espero sobretudo que esta candidatura se distinga daquilo que tem sido o comportamento socialista em Lisboa nesta matéria. Digo comportamento socialista porque do lado da Câmara propriamente dita, nada de relevante foi feito nos últimos dois anos, a não ser lançar a confusão na Ribeira das Naus e no Terreiro do Paço, estrangulando uma ligação vital para Lisboa sem ter acautelado qualquer alternativa. Ao nível do Governo socialista, temos assistido a algo de ainda mais grave, porque mais dificilmente reversível: a venda de metro a pataco.

 

E é mesmo de metro a pataco que tem de se falar quando se vê o Plano de Expansão do Metropolitano de Lisboa 2010-2020. Um plano que prevê duplicar em dez anos uma rede que demorou 50 anos a construir, sem que nada tenha sido feito para recapitalizar a empresa. Um plano que expande o Metro paralelamente à linha de Sintra na Amadora, no que constitui um gigantesco desperdício de recursos públicos.  Um plano que leva o Metro até ao Infantado, em Loures, mas que deixa de fora toda a zona ocidental de Lisboa. Um plano que leva o metro ao aeroporto da Portela aprovado pelo mesmo governo que pretende fechá-lo.

 

Evidentemente, este plano não é para ir para a frente, nem nos prazos nem nos moldes anunciados. Desde logo porque o seu financiamento continua a ser uma incógnita. Mas sobretudo porque a expansão do Metropolitano de Lisboa deverá ser debatida com os municípios envolvidos já depois das eleições, com um novo governo e novos executivos municipais. Então porque foi anunciado com pompa e circunstância precisamente a um mês de legislativas e autárquicas? Talvez para nos tomar por parvos. A 27 de Setembro e a 11 de Outubro, devolvamos-lhes o cumprimento.



publicado por Vasco Campilho às 20:34
link do post | comentar

Autores
Pesquisa
 
Posts recentes

T

Vou continuar...com todo ...

2001 ... 2009

Palavra de funcionário

A verdadeira razão

O António pelas Costas

Junta de Freguesia do Ori...

Grandes entrevistas

por uma questão de confia...

O Administrativo e o Admi...

Mais comentados
Últ. comentários
poertooooooooooooooooooooooooo
Foi bom saber que o Campo de Santana vai continuar...
Acho que faz muito bem em continuar...Lisboa pode ...
O mais sensato é votar Santana Lopes. Chega da máq...
Boa tarde Vasco,E um deles voa!!!Ainda vamos vêr, ...
Arquivo

Junho 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

todas as tags

Links
Subscrever feeds